terça-feira, 23 de junho de 2015

LIBRAS - Direitos Humanos - O que é Libras




LIBRAS

DIREITOS HUMANOS
Propor o reconhecimento da língua de sinais como língua da educação do Surdo em todas as escolas e classes especiais de surdos.
Assegurar a toda criança surda o direito de aprender línguas de sinais e também português e outras línguas.
Assegurar às crianças, adolescentes e adultos surdos, educação em todos os níveis, como pressuposto a uma capacitação profissional.
Levar ao conhecimento das escolas os direitos dos surdos. Promover a conscientização sobre questões referentes aos surdos.
Recomendar que programa televisivo não veiculasse (sic) posturas que gerem atitudes discriminatórias contra o uso da língua de sinais e direitos dos surdos defendendo posturas ouvintes.
Levar em conta o conhecimento da língua de sinais para a escolha dos professores de surdos. Entende-se como prova de conhecimento em língua de sinais: certificado específico de curso reconhecido pelas Associações e Federações de Surdos, com aprovação posterior em banca constituída pela comunidade surda.
Propor iniciativas visando impedir preconceitos contra surdos.
Criar cursos noturnos para jovens e adultos surdos no ensino fundamental, médio, superior, supletivos, cursos profissionalizantes, em que os professores usem língua de sinais ou em que haja intérpretes da mesma.
Regularizar ou programar o ensino para os surdos onde quer que eles estejam presentes.
Usar da tecnologia na comunicação com surdos em escolas e locais públicos uma vez que se tem constatado que a tecnologia ajuda na aquisição do português escrito.
Buscar recursos para a manutenção de uma Central de Intérpretes para atender aos surdos de Classe Especial, de Integração e Faculdades.
Formular políticas públicas para levantamento e atendimento educacional de crianças de rua surdas.
Propor uso de legenda na mídia televisiva, particularmente nos momentos de noticiário regular extraordinário, o que favorece a compreensão pelos surdos.
Realizar estudos a fim de levantar a real situação educacional dos surdos: escolaridade, número de surdos não atendidos, evadidos, analfabetos, etc.
Em educação, assegurar ao surdo o direito de receber os mesmos conteúdos que os ouvintes, mas através de comunicação visual. Formas conhecidas, em comunicação visual importante para o ensino do surdo são: línguas de sinais, língua portuguesa, e outras línguas no que tange à escrita leitura e gramática.
Respeitar a decisão do surdo em usar ou não aparelha de audição. Não impor o uso do mesmo, nenhum surdo pode ser obrigado a usar aparelho auditivo, já que esta decisão deve ser consciente.
Nos concursos vestibulares os surdos devem contar com intérpretes na ocasião das provas e a prova de português deve ter critérios especiais de avaliação.
Em concursos públicos onde o surdo concorre com outros deficientes sua prova de português também precisa ser analisada com critérios específicos e inclusive com presença de intérpretes.

Incorporar os currículos dos cursos superiores disciplinas que abordem: língua de sinais e outras informações sobre culturas surdas, particularmente nos cursos de formação de médicos, fonoaudiólogos e outros que irão trabalhar com surdos.
Promover a recuperação daqueles indivíduos surdos que por muitos anos foram mantidos no "cativeiro" dos ouvintes, possibilitando sua integração à sociedade.
Repensar o destino do patrimônio dos surdos, assim como o patrimônio das escolas de surdos quando deixam de existir.
Considerar que a integração/inclusão é prejudicial à cultura, à língua e à identidade surdas.
Propor o fim da política de inclusão/integração, pois ela trata o surdo como deficiente e, por outro lado, leva ao fechamento de escolas de surdos e/ou ao abandono do processo educacional pelo aluno surdo.
Considerar que a integração da pessoa surda não passa pela inclusão do surdo em ensino regular, devendo o processo ser repensado.

O QUE É LIBRAS?
A Língua Brasileira de Sinais é uma língua que tem ganhado espaço na sociedade por conta dos movimentos surdos em prol de seus direitos, é uma luta de muitos anos que caracteriza o povo surdo como um povo com cultura e língua própria que sofre opressão da sociedade majoritária impondo um padrão de cidadão sem levar em conta as especificidades de cada um destes cidadãos. Sendo assim, através de anos de luta o povo surdo conquistou o direito de usar uma língua que possibilitasse não só a comunicação, mas também sua efetiva participação na sociedade.
As línguas de sinais são línguas gestuais-visuais baseados no uso das mãos, dos olhos, do rosto, da boca, enfim, do corpo todo. É uma experiência visual que possibilita ao surdo expressar-se e desenvolver seu potencial de uma forma que somente através da oralidade não é possível. A língua de sinais possui regras próprias em todos os níveis linguísticos, por isso não pode ser confundida com a mímica.
É a língua natural da comunidade surda utilizada no Brasil com sua estrutura e gramática próprias utilizadas para a comunicação.
As pessoas acreditam que as línguas de sinais são somente conjuntos de gestos que interpretam as línguas orais. Todavia, as línguas de sinais aumentam seus vocabulários com novos sinais introduzidos pelas comunidades surdas em resposta às mudanças culturais e tecnológicas, assim a cada necessidade surge um novo sinal desde que se torne aceito, sendo utilizado pela comunidade.
A LIBRAS, como toda língua de sinais, é uma língua de modalidade gestual-visual que utiliza, como canal ou meio de comunicação, movimentos gestuais e expressões faciais que são percebidos pela visão; portanto, diferencia da Língua Portuguesa, uma língua de modalidade oral-auditiva, que utiliza, como canal ou meio de comunicação, sons articulados que são percebidos pelos ouvidos. Mas as diferenças não estão somente na utilização de canais diferentes, estão também nas estruturas gramaticais de cada língua.
Ao contrário do que muitos pensam a língua de sinais não é universal, cada país possui a sua própria língua de sinais, que é resultante da cultura do grupo social que a utiliza. Do mesmo modo que existem várias línguas orais estrangeiras, há diferentes línguas de sinais. No Brasil temos a LIBRAS, uma língua natural, relacionada aos costumes e à cultura da comunidade surda brasileira. Na maioria do mundo há pelo menos uma língua de sinais usada amplamente na comunidade surda de cada país. Tal língua é independente da língua oral. Por exemplo, a Língua de Sinais Americana (ASL) é diferente da Língua de sinais Britânica (BSL), que difere, por sua vez, da Língua de Sinais Francesa (LSF). Além disso, dentro de um mesmo país há variações regionais.



Fonte
 Professores:
Eliana Neves
Vanêssa Raganhan

UNINTER – Centro Universitário
Curso Básico de Libras

2015

Nenhum comentário:

II FORUM DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA - OAB DIA 13-6-2018

ONVITE II FÓRUM DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Excelentíssimos (as) Senhores(as) ...