sábado, 24 de maio de 2014

LIBRAS - uma proposta esquecida pela Comissão Especial destinada a promover Estudos e Proposições para a Reformulação do Ensino Médio – CEENSI

A importância da Linguagem de Sinais desde a infância
Nem sempre a comunicação oral é possível. Assim na história da Humanidade a linguagem de sinais (1), de tambores[1], fumaça (2), bandeirolas (3), luzes até a utilização de impulsos binários em nossos sistemas de telecomunicações foram e são a expressão da inteligência humana, sempre capaz de resolver desafios mais e mais complexos.
Sons têm limites e nossos ouvidos também, assim ao entrar em fábricas e outras instalações fechadas e ruidosas a primeira condição é usar EPIs[2], entre os quais os protetores auriculares. Nesses locais ficamos no dilema de como falar sem tirar os tampões dos ouvidos, e muitos desses ambientes são perigosos, podendo, o visitante, ser vítima de algum acidente ou provocá-lo por não saber o que acontece.
A criança após seu nascimento primeiro desenvolve sinais. O choro e seus gritos correspondem à linguagem oral que aprenderá mais tarde. Nessa primeira fase da vida poderá ser iniciada em sinais que correspondem à nossa LIBRAS (4). Se adiante aprender LIBRAS desde o maternal terá, com facilidade, mais um padrão de comunicação que será de extremo valor em muitas situações.
O que entendemos é que a estratégia de querer que em todos os lugares tenhamos intérpretes em LIBRAS não funciona e assim os surdos são reféns da sorte ou azar quando enfrentam atendentes em qualquer lugar.
O Congresso Nacional, na Câmara de Deputados, estuda a reforma do Ensino Médio. Estranhamente vimos que a proposta de Projeto de Lei criada pela Comissão Especial destinada a promover Estudos e Proposições para a Reformulação do Ensino Médio CEENSI (5) não apresenta de forma explícita nenhuma recomendação para a inclusão do estudante PcD e consideração pelas suas dificuldades de mobilidade (segurança, acessibilidade, etc.) e comunicação. A CEENSI propõe uma série de aprimoramentos, mas nada dirigido com ênfase para a PcD. É um Projeto de Lei que foi produzido após seminários com Secretarias de Educação e em comissões específicas. Esqueceram o estudante com deficiência(s)?

Ou seja, atentos às crianças e jovens com deficiência auditiva, devemos primeiro lembrar a importância da LIBRAS para os surdos e em segundo lugar sua praticidade em muitas atividades normais.
Repetindo, o aprendizado generalizado da LIBRAS facilitará muito a inclusão da pessoa com deficiência auditiva (em qualquer grau), sem esquecer que a surdez pode acontecer em qualquer fase da vida.
O que devemos fazer?
Naturalmente se essa proposta (ensino da LIBRAS desde os primeiros degraus de escolarização) for entendida como justa e oportuna, precisamos convencer nossas lideranças federais a corrigir o Projeto de Lei e outros semelhantes para a implantação dessa matéria em nossas escolas.
Vamos à luta?

João Carlos Cascaes
Curitiba, 24 de maio de 2014

1. CRONOLOGIA DA SURDEZ, DA CULTURA SURDA E DA LÍNGUA GESTUAL NO MUNDO. PORSINAL. [Online] http://www.porsinal.pt/index.php?ps=historia.
2. sobre os sinais de fumaça. Sinais de Fumaça. [Online] http://sinaisdefumacaa.blogspot.com.br/2010/04/sobre-os-sinais-de-fumaca.html.
4. Cascaes, João Carlos. LIBRAS? Educação e Tecnologia Assistiva - Inovação e Dignidade - Autonomia. [Online] 16 de 10 de 2013. http://ta-inovacao-dignidade-autonomia.blogspot.com.br/2013/10/libras.html.
5. cascaes, João Carlos. Reformulação do Ensino Médio – CEENSI - uma análise expedita. Educação e os estudantes com deficiência. [Online] http://escolas-convencionais-e-especiais.blogspot.com.br/2014/05/reformulacao-do-ensino-medio-ceensi-uma.html.






[1] Tambor falante é um tambor da África Ocidental cilindro que a altura pode ser regulada de maneira que é dito o "tambor de comunicação". O tocador coloca o tambor embaixo do braço e bate o instrumento com um pau ou um aro de ferro com uma bola na ponta. Um tocador levanta ou abaixa o tom do tambor falante, ao apertar ou ao liberar as cordas do tambor com o braço. Isso pode produzir sons informativos extremamente complicados para transmitir mensagens. A habilidade de mudar a altura do cilindro é análogo ao da linguagem tonal de algumas línguas Africanas.
...
Os tambores falantes tem o formato de uma ampulheta com duas faces (encouradas com couro de cabralagarto (iguana), pele de peixe) amarrado com tiras que ligam as faces uma com a outra. Estes são alguns dos mais antigos instrumentos utilizados pelos griots da África Ocidental e sua história pode ser rastreada até ao antigo Império Gana. O povo Hausa (e por influência, o povo Yoruba do sudoeste da Nigéria e do Benim e Dagomba do norte de Gana) desenvolveram um gênero musical griot altamente sofisticado centrado no tambor falante.
No século XX o tambor falante tornou-se uma parte da popular música da África Ocidental. Ele é usado para tocar em música Mbalax do Senegal e no Fuji e Jùjù da Nigéria (onde é conhecido como um dùndún, não fazer confusão com o tambor dundun bass do povo Mandé.) Wikipédia

[2] Equipamentos de Protecção Individual ou EPIs são quaisquer meios ou dispositivos destinados a ser utilizados por uma pessoa contra possíveis riscos ameaçadores da sua saúde ou segurança durante o exercício de uma determinada atividade. Um equipamento de proteção individual pode ser constituído por vários meios ou dispositivos associados de forma a proteger o seu utilizador contra um ou vários riscos simultâneos. O uso deste tipo de equipamentos só deverá ser contemplado quando não for possível tomar medidas que permitam eliminar os riscos do ambiente em que se desenvolve a atividade. Wikipédia

Nenhum comentário:

Mara Gabrilli eleita para Comissão da ONU sobre Direitos das Pessoas com...

Publicado em 12 de jun de 2018 Deputada federal do estado de São Paulo, no Brasil, Mara Gabrilli, recebeu 103 votos para integrar o ...