segunda-feira, 14 de março de 2011

Indignação: o que nós pessoas com deficiência precisamos enfrentar em nosso dia-a-dia...

Indignação: o que nós pessoas com deficiência precisamos enfrentar em nosso dia-a-dia...

por Mirella Prosdocimo, segunda, 14 de março de 2011 às 19:54
Caros amigos e colegas, peço que me ajudem a divulgar esta mensagem e assim, quem sabe, a gente consiga criar uma maior conscientização a respeito de nossas necessidades como pessoas com deficiência e do respeito ao próximo.
Na última sexta-feira, dia 11 de março, estava eu saindo do supermercado Condor, quando vi uma pessoa estacionando seu carro em uma vaga reservada para pessoas com deficiência. Fiquei observando se a pessoa realmente necessitava daquela vaga, ou seja, se tinha algum tipo de deficiência, mas não era o caso. Tratava-se de uma mulher beirando os 40 anos acompanhada de dois filhos pequenos, um casal com mais ou menos 4 e 5 anos. Quando passaram por mim, eu educadamente alertei que ela havia estacionado em uma vaga reservada para pessoas com algum tipo de dificuldade de locomoção e que aquela vaga poderia vir a ser necessária para alguém que realmente precisasse, se então ela não poderia retirar o seu carro daquele local. A mulher além de dizer que não iria retirar o carro, ainda saiu dali dando risada ironicamente, zombando da minha cara.
Conversei com o gerente do supermercado para saber qual era o procedimento que o estabelecimento tomava em tais circunstâncias, e ele me informou que infelizmente eles não poderiam fazer nada, uma vez que é o Diretran quem faz a fiscalização e o único que pode multar o veículo infrator.
Telefonei para o Diretran que disse que mandaria uma viatura até o estabelecimento, mas durante todo o tempo em que permaneci tentando resolver a situação (mais ou menos 30 minutos), ninguém apareceu.
Depois de passados mais ou menos dez minutos, enquanto ainda guardávamos as compras no carro, a mulher retornou e então eu disse que ela estava de parabéns pelo exemplo de respeito e educação que ela estava dando para seus filhos. Nesse momento a mulher ficou completamente fora de si e veio para cima de mim dizendo que iria "Meter a mão na minha cara" e realmente veio a toda na minha direção para me agredir. Por sorte as meninas que trabalham comigo estavam ali e imediatamente se colocaram na minha frente para me proteger. Começou a juntar um monte de gente em volta, indignadas com o que estava acontecendo e virou um verdadeiro "Barraco", um monte de gente batendo boca com aquela mulher enlouquecida, até que ela resolveu ir embora. Infelizmente, logo que a mulher saiu com seu carro, uma outra pessoa, também sem deficiência ou qualquer outra dificuldade de locomoção, estacionou na mesma vaga. Dessa vez tratava-se de um rapaz de mais ou menos vinte anos, mas como eu já estava dentro do carro, não pude falar nada. Então, minha assistente também o alertou a respeito da vaga e ele descaradamente disse que não iria tirar o carro, entrando no estabelecimento.
Aguardei mais alguns minutos pela viatura do Diretran, que não apareceu e fui embora indignada e chocada com a falta de respeito da nossa população.
Mirella Prosdocimo

Um comentário:

Eliana disse...

É difícil mesmo educar as pessoas, mas não desistam. É chamando a atenção que aos poucos vamos criando a consciência em cada um. Parabéns por ter alertado a tal mulher com o seu péssimo exemplo. Tenho certeza, que na próxima vez ela vai pensar duas vezes antes de estacionar em uma vaga para deficiente. E se estacionar novamente, e outra pessoa chamar a atenção dela...Duvido que estacione uma 3º vez!!!

Mara Gabrilli eleita para Comissão da ONU sobre Direitos das Pessoas com...

Publicado em 12 de jun de 2018 Deputada federal do estado de São Paulo, no Brasil, Mara Gabrilli, recebeu 103 votos para integrar o ...